Terapias

Energias curativas da música


Música induz ao relaxamento, promove a cura, melhora o funcionamento mental, e cria um sentimento geral de bem-estar.

Foi um momento cheio de felicidade. Sentado em uma piscina com uma lanterna, com o ar fresco da noite roçando minha pele eu relaxei por um momento. Ternura de uma harpa tomou conta de mim.

Enquanto a música aumentou e diminuiu nota por nota, o meu coração sentia aliviado e se acalmou. Minha consciência foi ficando distante das restrições mesquinhas da vida cotidiana. Magicamente, todas as tensões de um dia estressante evaporaram. Como o som melodioso da harpa celta envolveu-se em torno de mim, senti-me revigorado e calmo. Como sempre, neste local em um pequeno momento musical levantou meu ânimo. Os chineses acreditam que toda a primavera notas musicais a partir do coração, e, portanto, cada nota no mundo exterior do som corresponde a um sentimento interior. Mestre Zen, Su Ma T’sien, que remonta ao século um AC, estava convencido de que a música teve um impacto direto sobre o comportamento humano.

 

A magia da música.

A cura e os efeitos calmantes da música têm sido observados desde a Antiguidade. “A música tem a capacidade de tocar o mais íntimo da alma”, afirmou Platão, o filósofo grego.

Pitágoras, também de ascendência grega, era extremamente interessado sobre os efeitos da música sobre a psique humana, e ainda estabeleceu uma escola em seu esforço para estudar a influência das paixões sobre música e comportamento humano.

Na verdade, cada noite, mesmo quando seus alunos dormiam, Pitágoras, fielmente executava as composições musicais que ele sabia que tinha um efeito curativo sobre o subconsciente. Não só os alunos relatam uma noite de sono tranquila, mas alguns também alegam ter sonhos e visões proféticas.

A crença generalizada na China antiga, também atribuída energias de cura para a música.

Ele afirmou que as notas harmoniosas tiveram um efeito benéfico sobre o comportamento humano, enquanto notas discordantes tiveram um efeito deletério.

Energia da Música
Energia da Música

Outro famoso estudo indica que ouvir música clássica por períodos prolongados leva a uma maior sensibilidade e criatividade. Este é o chamado Efeito Mozart, um termo cunhado para um alegado aumento no desenvolvimento cerebral em crianças que foram expostas à música de Wolfgang Amadeus Mozart.

O estudo afirma que determinados sons, tons, ritmos e especialmente a música de Mozart, podem fortalecer a mente, libertar o espírito criativo e até mesmo curar o corpo humano. Don Campbell, em seu aclamado livro,

O Efeito Mozart oferece relatos dramáticos de como os médicos, xamãs, músicos e profissionais de saúde usam a música para lidar com condições como ansiedade, câncer e hipertensão.

O diretor de uma unidade coronária de Baltimore relatou que meia hora de música clássica produz o mesmo efeito de 10mg de Valium [um tranquilizante utilizado para aliviar a ansiedade e relaxar os músculos].

 

Música para curar

Energias da Música
Energias da Música

Para o compositor e terapeuta do som Shawna Carol, cantar é semelhante à medicina natural.

Ele desenvolveu um processo que ele chama de ‘Spirit Songs’, que ajuda as pessoas a liberarem seus bloqueios emocionais e criativos.

A razão científica por trás de tudo isso é muito simples. O som como a eletricidade e a luz, são umas formas convencionais de energia eletromagnética.

Hoje, temos uma compreensão mais clara de como as freqüências de vibração podem afetar-nos em um nível celular.

O som tem a capacidade de reorganizar a estrutura molecular. Tudo no universo está em um estado de vibração, incluindo as células do nosso corpo.

Quando essas células vibram harmoniosamente nós temos a saúde como experiência. Tranqüilizante a música pode alterar os padrões das ondas cerebrais e induzir a um relaxado estado de calma na pessoa que houve, e tem ao mesmo tempo um efeito benéfico sobre a saúde.

Não se admira que os egípcios se referem à música como a “física da alma”.

 

Música e emoções

No nível emocional, a música age como um facilitador em alterar nossos humores. A música afeta o sistema límbico, que parte do nosso cérebro que é a sede da emoção.

Por isso acalma as emoções quando se ouve música suave e provoca um estado de bem-estar mental. Música, na energia em si é neutra. Nós é que somos responsáveis por seu efeito final. Precisamos usar a energia da música com consciência.

Sons altos, agressivos e discordantes conduzirão a estados violentos e estressantes, enquanto que suave, a música acalma e vai gerar uma paz contagiante. Helene Caya afirma em seu livro inovador do som Springs Light “, quanto mais suave a música, mais amor ela transmite.”

Um dos efeitos mais bonitos da música é a erradicação da ansiedade. Medo e ansiedade são as causas de vários distúrbios psicossomáticos. Sons perturbadores podem gerar uma sugestão de medo.

Por outro lado, ao ouvir sons suaves e harmoniosas gera-se uma sensação de paz e bem-estar imediato no ouvinte. Assim, a música pode ser utilizada como uma ferramenta terapêutica eficaz para acabar com a ansiedade e manter a mente sob controle.

 

Música e o espírito

Cura pela música
Cura pela música

Em todas as tradições espirituais de todo o mundo, a música desempenha um papel fundamental na ligação do indivíduo à sua origem divina.

O Senhor Krishna é conhecido por roubar o coração das gopis por sua flauta melodiosa. A Bíblia afirma:

“Procure um homem que é hábil em tocar a harpa e, quando o espírito maligno vier sobre ti, ele vai tocar a harpa e te acharás melhor” [I Samuel 16:14-16].

E da tradição sufi, afirma Al Ghazali, “O propósito da música, considerada em relação a Deus, é para despertar o desejo por Ele, e amor apaixonado por Ele”.

A absorção intensa de parte de uma melodia com alma pode levar a um sentimento de expansão ou a exaltação do espírito. A alma sente-se intimamente conectada com o Divino.

Isto leva ao êxtase e um sentimento de admiração feliz no ouvinte. A paz de espírito desce sobre ele.


Autor: Antônio Ventura   Em: Terapias

Nota:
Você pode usar este conteúdo no seu website para ajudar a difundir esse conhecimento. Tudo que nós pedimos é que você coloque um link de volta para nós na página onde você está incluindo esse artigo.

               

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *