web analytics

Análise Subjetiva do Homem Moderno


Publicidade

Análise subjetiva do homem moderno. Jung define a religião como “uma atitude característica do espírito, o que poderia ser formulada de acordo com o uso. 

O original do termo “Religião”, o que significa uma cuidadosa reflexão e observação de certos fatores dinâmicos, conhecido como “poderes”, espíritos, demônios, deuses, leis (ou qualquer outro nome que o homem tem dado a tais fatores em seu mundo), pois os considerou suficientemente forte para serem úteis ou perigosos objetos de cuidadosa consideração, ou suficientemente maravilhoso, bonito e importante para dar-lhes amor devoção e culto.

A palavra chave aqui é “dinâmico” é o dinamismo da função religiosa que torna fútil e perigoso tentar explicá-lo completamente. Este dinamismo mostrou no passado os grandes movimentos das cruzadas, guerras, caça às bruxas etc … agora em grande parte desta energia está em uma busca frenética de deificação de si mesmo. Segundo Bucher (1995) desde o início, no mundo ocidental foi marcado pelo ritual do consumo de drogas, mas foi sobretudo dos séculos XIX e XX que tornou-se regular e o consumo vem crescendo continuamente.

No entanto, até os anos cinqüenta que o crescimento não levanta grandes problemas na avaliação de Bucher, que acredita que o valor das drogas, especialmente alucinógenos, nos anos sessenta foi associada com a possibilidade de a pessoa na sua utilização, ter novas experiências “, habitam uma realidade diferente.

 

Análise Subjetiva do Homem Moderno

Análise Subjetiva do Homem Moderno

“Ele também explica que o desejo de transformação foi compartilhado coletivamente por um grupo de pessoas com questionamento dos valores da época. No entendimento teórico da droga se constitui um símbolo de defesa que medeiam a relação entre pessoas que compartilhavam o mesmo projeto de transformação da vida.

Para Bucher (1995), é possível afirmar que a toxicodependência é o sintoma da sociedade de consumo, desde que a droga sobrevive de uma pessoa leal ao produto. E ainda é considerada, segundo ele, a maior dor em aliviar o sofrimento humano, prometendo encontrar-se com a felicidade.




Freud disse em 1969, é a demanda de cada ser humano. Uma droga com esta proposta sedutora está ganhando a cada dia, mais espaço na sociedade atual, escravo do consumo, está sujeito a vários tipos de pressão em um único dia.

Se uma parte desta cultura “tem que ser” agarrado a vida de muitas pessoas, levando-os, muitas vezes a extremos, do outro lado trouxe a outra pessoa uma sensação de desconforto e mal estar crescente, levandoos a recuar e se concentrar em busca de seu mundo interno, portanto, um interesse crescente no mundo psíquico.

O mundo interior é um terreno fértil para semear hoje o que você quer colher amanhã. Assim o conhecimento mais profundo sobre o conteúdo do inconsciente, mais você poderá ter controle sobre suas vidas. Viver é aprender com a crise, diz Kivitz (2008), as tristezas e alegrias, com as pessoas e o luto, com as decepções e conquistas.

Schopenhauer sugere que, assim como os sonhos são formados a partir de um aspecto da pessoa que é ignorado por sua consciência, sua vida inteira é construída pela vontade que está dentro de cada pessoa.

 

CONCLUSÃO

Kivitz (2008) apresentou uma proposta que os seres humanos retirem a roupa do sofrimento e da pelagem do aluno, assumindo a responsabilidade pelas escolhas que fazem, acrescentando que quando uma pessoa muda, o mundo ao seu redor também muda, deixando claro que se cada um sempre tentar entender o significado de tudo o que acontece com ele, irá expandir sua consciência sobre sua própria vida interior, e também terá a oportunidade de descobrir que caminho que irá fazer esta mudança para viver a vida como ficando claro o que seus objetivos são.

Para Del Nero (2003) auto-análise é a maneira de lidar com a ansiedade e o stress, ele acredita que é preciso muita coragem e determinação, mas, apesar de um grande esforço no caminho do autoconhecimento, diz que o resultado de toda esta pesquisa É reconfortante e compensadora.

O mundo está pedindo mudanças declara Brito (2000), e cada pessoa deve ser o agente dessa transformação. Enfatiza a teoria de que, se permanecer inerte e paralisado tudo a frente desse universo criativo, certamente perderemos a oportunidade de assistir ao nascimento de algo novo que está chegando.

Brito diz que ele está convencido de que algo novo irá facilitar a reconstrução de cada pessoa, individualmente e, conseqüentemente, à sociedade como um todo.

Se o resultado é bom ou ruim, isso poderá ajudar a promover o início da transformação com palestras teóricas, além de ser uma importante economia de gasto energético em relação ao enfrentamento da ansiedade e do stress diário.










Deixe seu Comentário »