Biologia & Vida

Ansiedade e Estresse na Modernidade


Este artigo tem como objetivo chamar a atenção para as doenças que causam ansiedade e estresse para os seres humanos de hoje. Fornecer mecanismos para que, mesmo vivendo em meio a instabilidade, cada pessoa possa, no processo de autoconhecimento encontrar os recursos para lidar com as dificuldades diárias Ansiedade e estresse.

É inerente ao ser humano, uma experiência cotidiana, que em baixo grau seja útil para a pessoa, mas com maior intensidade pode ser devastador. Tanto pode ser um estímulo para a ação, como um inibidor para o bom desempenho.

É agradável para aqueles que se submetem à atividade de risco e inibidora para os outros, não é permitindo realizar tarefas de satisfação. “Para Frederick”, bem como ser normal ou patológico, também pode ser leve ou grave, episódica ou persistente. Ser uma conseqüência de uma doença orgânica e podem responder apenas ou acompanhado por outros transtornos mentais.

Além disso, de acordo com a ciência teórica não pode definir quais são os limites das desordens que se enquadram dentro destes limites da Ansiedade.

 

Ansiedade da vida moderna

Segundo ECA a idade de início do transtorno de ansiedade é geralmente entre a adolescência e a terceira década de vida. Informamos também que a prevalência anual da doença foi maior nos homens entre 30 e 44 anos e mulheres entre 18 e 44 anos, chamando a atenção para o fato de que a ansiedade é relativamente rara entre os idosos.

Para Katzelmick (2007) é o transtorno de ansiedade mais prevalente na população em geral. No entanto, a alta freqüência com que ocorre em relação a outros transtornos mentais, tem sido objeto de questionamento por um grupo de profissionais de saúde.

Ansiedade e Estresse na Modernidade
Ansiedade e Estresse na Modernidade

De acordo com o ponto teórico a considerar agora é o fato de que esses distúrbios, por si só, danos psicossociais relevantes que requerem atenção especial dos profissionais de saúde.

Esse conjunto de reações inespecíficas na qual o organismo participa como um todo é chamado de “Síndrome de Adaptação Geral”, explicando que consiste em três fases: Alarme de reação, Resistência e Fase de Exaustão.

O autor salienta que não é necessário que ocorram as três fases de modo que não haja stress, e apenas o mais grave atinge a última etapa, o nível de exaustão.

Ele observou que quando um animal era submetido a estímulos ameaçadores da homeostase aguda, incluindo o medo, a fome, dor e raiva tiveram uma reação na qual o animal foi preparado para a luta ou fuga.

 

CANNON OBSERVOU QUE NA ANSIEDADE ESSAS REAÇÕES FORAM CARACTERIZADAS POR:

Aumento da freqüência respiratória e dilatação dos brônquios, para que o organismo possa captar e receber mais oxigênio,

O estímulo agudo provoca a secreção de hormônio liberador hipotalâmico, que mobiliza uma reação em cadeia de outros hormônios adeno – hipófise e neuro – hormônios e peptídeos cerebrais.

Conclui então que a teoria prevê um mecanismo de feedback negativo, mas diz que se os agentes estressores desaparecerem, as reações tendem a diminuir, mas se o corpo deve manter as reações, a sua adaptação entrar numa nova fase que se caracteriza basicamente pela reação de hiperatividade cortical, supra-renal diencéfalo, mediada  hipófise.

Com o aumento no córtex adrenal, a teoria afirma que ocorre a atrofia do baço e das estruturas linfáticas, leucocitose, diminuição de eosinófilos e ulcerações.

Cannon adverte que se os estressores continuarem a agir, ou se tornar crônica e repetitiva as respostas persistem, mas com duas características: diminuição da amplitude, antecipando respostas.

Sublinhando que ainda pode haver falha nos mecanismos de defesa, desencadeando a terceira fase que é o esgotamento.

De acordo com Levy (1971) “O ser humano é capaz de se adaptar ao ambiente desfavorável, mas esta adaptação não ocorre impunemente”. Seyle (1936) acrescenta que as “doenças de adaptação são as conseqüências da hostilidade excessiva ou excesso de reações de submissão.”

E Granboulan (1988) acrescenta que a possibilidade de que o corpo contém a memória emocional de situações anteriores de estresse, prolonga o potencial de dano.

Com uma doença de adaptação podem incluir: úlceras, hemorroidas crise intestinal, alterações da pressão arterial, alterações na parede dos vasos sanguíneos, alguns tipos de doença renal, doenças inflamatórias do aparelho gastrintestinal, várias doenças dermatológicas, muitas metabólicas, reações alérgicas, artrite reumatoide e doenças reumáticas, distúrbios sexuais, comprometimento do sistema imunológico e algumas doenças da tireoide.

               

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *