Biologia & Vida

Deriva genética

A deriva genética é um dos mecanismos importantes de evolução que é mais importante em pequenas populações. Vamos discutir em detalhe sobre a deriva genética e o seu papel no processo de evolução. Em geral, a evolução é provocada por três forças principais – mutação, seleção natural e deriva genética.

A deriva genética é uma alteração aleatória na freqüência do alelo (uma forma alternativa de um gene) que resulta uma mudança na composição genética da população.

As mudanças ocorrem lentamente e se tornam visíveis ao longo de um período de tempo.

No entanto, é mais rápida e significativa nas populações menores, uma vez que o alelo representa uma grande fração do material genético. Devido à deriva genética, fenótipo (aparência física) e genótipo (constituição genética) dos indivíduos mudam ao longo do tempo, resultando em variações na população.

 

PAPEL DA DERIVA GENÉTICA

Deriva genética
Deriva genética

Mesmo que a deriva genética desempenhe um papel importante no processo de evolução, o conceito não está claro entre muitos dos evolucionistas. A principal razão pode ser devido ao fato de que não é mencionada na Teoria da Evolução de Darwin.

Tanto a seleção natural e a deriva genética atuam sobre a população. No entanto, ao contrário da seleção natural que é um mecanismo não-aleatório da evolução, a deriva genética é aleatória e acontece por acaso. Na seleção natural, indivíduos que estão mais bem adaptados ao ambiente vigente sobrevivem e transmitem seus genes para a próxima geração e a quem não pode se extinguir.

Em caso de deriva genética, os genes dos indivíduos são passados à geração seguinte, independentemente de que possam se adaptar ao ambiente ou não.

Por exemplo, se por acaso algum dos indivíduos deixam mais descendentes do que outros indivíduos, então o gene da população na próxima geração será representado pelos descendentes daqueles que sobreviveram. Assim, os resultados da deriva genética promovem alterações dos genes que não são adaptáveis.

As causas da deriva genética são mutações espontâneas e reprodução incompleta na pequena população.

 

CAUSA DA DERIVA GENÉTICA

A deriva genética também é causada devido à separação de um grupo menor de uma população maior. Em tal circunstância, há uma chance de evolução biológica das espécies (especiação). Se um pequeno grupo fica isolado do grupo maior, o pequeno grupo é geneticamente derivado do resto da população.

Uma vez que a deriva genética é aleatória, pode haver uma situação em que o gene do grupo menor se torne totalmente diferente do maior. Assim, acontece o nascimento de uma nova espécie.

De acordo com a genética de populações, a deriva genética é devido a efeitos aleatórios de amostragem. Os alelos têm uma vida, a sua freqüência pode subir ou descer ao longo de um período de tempo.

No entanto, a deriva genética continua até que se torne fixa. Há duas conseqüências desta freqüência, ou se torna zero e o alelo é eliminado da população ou a freqüência pode chegar a 1 e se tornar fixa. Assim, à medida que uma geração progride, os alelos de uma população específica são fixos. Uma vez que um alelo é fixo, todos os membros da população terão o alelo.

Catástrofes naturais como terremotos, vulcões e inundações também contribuem para a deriva genética. Muitas pessoas morrem em tais calamidades resultantes da redução no tamanho de uma população específica.

O resultado final é que o material genético (alelos de todos os genes) da população é reduzido e os indivíduos que sobrevivem não são mais adequados representantes da população original. Esta situação é referida como o efeito gargalo.

Nesses casos, há chances de que muitas das adaptações benéficas (genes) poderiam ser eliminadas. Assim, o gene global da população antes da catástrofe é diferente do que, após a catástrofe.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *