Biologia & Vida

Relações Simbióticas


Você já se perguntou sobre as Relações Simbióticas que compartilham muitas espécies uns com os outros?

Neste artigo, vamos falar sobre o fenômeno da simbiose e os diferentes tipos de relações simbióticas que existem no ecossistema.

Em termos simples, a simbiose é definida como a interação entre duas espécies biológicas. Essas interações são geralmente de longa duração.

O termo é derivado das palavras gregas syn com significado e sentido de vida e biosis foi cunhado pelo biólogo alemão Heinrich Anton de Bary no ano de 1879. Ele usou o termo para definir a coexistência de dois diferentes organismos vivos. Enquanto anteriormente relações simbióticas foram geralmente definidas como aquelas que foram as relações mutuamente benéficas, o termo real é hoje um pouco nublado em sua definição.

 

Relações Simbióticas
Relações Simbióticas

É amplamente utilizado para descrever as interações biológicas entre muitas espécies diferentes. Estas relações simbióticas podem ser de diferentes tipos. Um estudo da biologia dirá que os principais tipos são mutualismo, comensalismo e parasitismo.

Existem algumas relações simbióticas, em que a as duas espécies são totalmente dependentes uns dos outros para sobreviver, existem outras relações que são formadas apenas para determinadas necessidades.

 

QUAIS SÃO AS RELAÇÕES SIMBIÓTICAS?

Relações simbióticas também podem ser classificadas como obrigatórias, onde a relação é essencial para a vida de pelo menos um dos organismos ou facultativas, que é onde o relacionamento é benéfico para os organismos, mas não é essencial para a sobrevivência.

As três principais formas de relações simbióticas que mencionamos no início deste artigo serão discutidas abaixo.

 

MUTUALISMO

Mutualismo é apenas um tipo de interação biológica onde as duas espécies que têm um relacionamento, os benefícios decorrem uns dos outros. Simbiose, por outro lado, é uma categoria ampla que inclui diferentes formas de interações biológicas entre as espécies.

Mutualismo dentro de uma espécie é mais freqüentemente designada como a cooperação. Mutualismo é extremamente importante na ecologia e sem essas relações simbióticas, o ecossistema terrestre pode ser muito perturbado.

Quase 70% dos organismos que fazem parte do ecossistema terrestre dependem das relações micorrízicos que partilham com os fungos. Mutualismo é também um fator importante para a condução tanto a diversidade biológica que vemos hoje e a co-evolução.

Um dos melhores exemplos de relações simbióticas de mutualismo é a que existe entre as anêmonas do mar e peixe anêmona.

As anêmonas do mar são responsáveis pelo fornecimento de peixe com proteção contra predadores que não pode suportar as picadas nos tentáculos de anêmonas e os peixes, por outro lado protegem a anêmonas do mar do peixe-borboleta que se alimentam de anêmonas.

 

COMENSALISMO

Comensalismo é outra forma de relação simbiótica, onde a interação biológica que compartilham as duas espécies, uma deriva benefícios, mas o outro permanece em grande parte afetada e não é beneficiado ou prejudicado pela relação.

É difícil encontrar exemplos de comensalismo, pois é menos visto na natureza e é difícil de provar ou não se o animal é afetado pelo hóspede.

 

PARASITISMO

O parasitismo é outra forma de relações simbióticas entre as duas espécies, que têm uma interação biológica, benefícios, mas o outro é prejudicado. Os parasitas tendem a afetar o hospedeiro de muitas maneiras.

Eles geralmente vivem com os anfitriões que precisam de comida ou abrigo, ou mesmo como um meio de contágio. Aqueles parasitas que vivem na superfície do hospedeiro são chamados de ectoparasitas e aqueles que vivem dentro do corpo do hospedeiro são chamados endoparasitas.

Endoparasitas podem ser intercelular ou intracelular. Um epiparasite é um tipo de parasita que se alimenta de outros parasitas. Um dos melhores exemplos de parasitismo é a relação entre hospedeiros vertebrados e de organismos como vermes e pulgas.

Quer um ecossistema terrestre ou um ecossistema aquático, relações simbióticas são extremamente importantes para a sobrevivência de várias espécies, embora às vezes mutuamente benéfica e em outras ocasiões, causa de dano a uma das espécies, sem relações simbióticas, estragos graves podem ser causados no atual sistema ecológico.

               

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *