web analytics

Alergias Alimentares


Publicidade

Em algum ponto, quase todo mundo vai experimentar uma reação desagradável após o consumo de um alimento, que nem sempre é uma  alergia alimentar.

No entanto, apenas uma pequena porcentagem dessas reações são verdadeiras reações alérgicas, causadas por uma reação exagerada do sistema imunológico a algum componente do alimento ofensivo.

O resto das reações tóxicas ou são devidas a intolerâncias alimentares, que podem ser causadas por uma variedade de fatores, tais como a falta de uma enzima necessária para digerir completamente os alimentos. Para aquelas pessoas que realmente têm alergias alimentares, no entanto, é fundamental diagnosticar com precisão a alergia e identificar a reação estimulante alimentar para reações alérgicas graves sejam evitadas. Alguns dos alimentos mais comuns que causam reações alérgicas são: leite, ovos, trigo, soja, amendoim, nozes, peixe e marisco.

 

TÍPICAS REAÇÕES ALÉRGICAS AOS ALIMENTOS SÃO CARACTERIZADAS POR:

* Os sintomas que começam dentro de minutos a hora de comer, tocar, inalar, ou entrando em contato com o alimento agressor.
* Os sintomas que acometem o nariz, olhos, garganta, pele, pulmões, sistema digestivo, e, menos freqüentemente, o sistema cardiovascular. (Os exemplos incluem comichão na pele, formigamento ou queimação da boca e da garganta, espirros, coriza, inchaço das pálpebras, vômitos, dor abdominal, diarreia e dificuldade para respirar).

 

CAUSAS

Alergias Alimentares

Alergias Alimentares

Alergias alimentares são causadas pelo mesmo mecanismo básico de outras alergias, pois eles resultam de uma reação exagerada do organismo a uma substância normalmente inofensiva. Em circunstâncias normais, o sistema imunológico luta contra invasores estrangeiros como parasitas bactérias ou vírus.

As reações alérgicas ocorrem quando o sistema imunológico identifica erroneamente inofensivas substâncias estranhas e reage a eles como se fossem umas ameaças.

Estas substâncias são chamadas de alérgenos. Os alérgenos que causam a maioria das reações alérgicas são pólens de plantas, esporos de mofo, ácaros, baratas, e pêlos de animais (flocos de pele e outros detritos derramados por um animal).

As reações alérgicas a alimentos, veneno de insetos, medicamentos e látex ocorrem com menos freqüência, mas não são raras e tendem a ser mais grave.

Irritantes como fumaça de cigarro, perfumes ou produtos de limpeza fortes pode fazer piorar os sintomas da alergia e desencadear asma, mas não são alérgenos.

Com a primeira exposição a um alérgeno, não há sintomas, mas em pessoas que são geneticamente predispostas a se tornarem alérgicas, o sistema imunológico produz um anticorpo dirigido contra o alérgeno chamado IgE.

Uma vez produzido IGE liga a um receptor na superfície de uma célula especializado do organismo chamado uma pilha de mastro. A próxima vez que o corpo for exposto ao alérgeno, os anticorpos IgE diz a essas células especializadas para liberarem produtos químicos, incluindo a histamina, que causam os sintomas da reação alérgica.

Se você tem um pai ou irmão que tem uma alergia, você tem maior risco de desenvolver uma mesma alergia. Se os genes necessários para o desenvolvimento de alergias são hereditários, o sistema imunológico fica sensibilizado a um alimento ou a outros alérgenos através de exposições iniciais.

Alergias alimentares ocorrem em 6 a 8 por cento dos lactentes e crianças jovens. Algumas destas crianças superam suas alergias alimentares durante os primeiros três a cinco anos de vida.

Comparado com outras condições alérgicas, tais como sintomas nasais, a prevalência de alergia alimentar nos adultos é relativamente baixa: cerca de 2 a 3 por cento dos adultos são afetados.

 

PREVENÇÃO

A maneira mais simples para evitar uma reação alérgica é evitar o alimento agressor. Isto é mais fácil dizer do que fazer, porém, é importante ler atentamente os rótulos dos alimentos e sempre verificar com o pessoal do restaurante sobre os ingredientes e como o alimento é preparado.

Os alimentos mais comuns de causar reações alérgicas nos adultos são amendoins, nozes (amêndoas, castanhas, pistache, nozes, nozes, avelãs, castanhas do Brasil, e outros), peixe e marisco.

Os alimentos que mais comumente causam reações alérgicas nas crianças são leite, ovos, trigo, soja e amendoim; alergia a alimentos como nozes, peixes, crustáceos e moluscos.

A maioria das crianças alérgicas ao leite, ovos, soja, trigo superam suas alergias alimentares durante os primeiros anos de vida. Alergias a amendoim, nozes, peixe e marisco são menos freqüentemente superadas. Por exemplo, somente cerca de 20 por cento das crianças alérgicas a amendoim superaram sua alergia.

Para evitar a exposição acidental a um alérgeno, você deve memorizar os nomes comuns dos alimentos que você ou seu filho é alérgico, bem como outras formas que possam ser listadas nos rótulos dos alimentos e, em seguida examinar todas as etiquetas.

 

OUTRAS PRECAUÇÕES ÚTEIS PARA ALERGIA ALIMENTAR:

* Se o seu filho tem uma alergia alimentar, não se esqueça de dizer a todos que cuidam dele.
* Se você tem uma alergia, use uma pulseira ou colar de alerta médico descrevendo sua condição.
* Saiba quando e como usar um dispositivo de adrenalina injetável. Transportá-lo com você em todos os momentos, em caso de uma reação alérgica severa.

Vários estudos têm tentado determinar se as mulheres nas famílias com membros alérgicos podem reduzir o risco de seus bebês desenvolverem alergias alimentares, evitando os alimentos durante a gravidez.

Os resultados destes estudos não suportam a utilização de dietas de eliminação durante a gravidez, como eles não aparecem para reduzir o risco da criança.

Embora pequenas quantidades de alérgenos alimentares possam ser medidas no leite materno de mães que estão ingerindo esses alimentos, tirando esses alimentos alergênicos fora da dieta da mãe não impediu o desenvolvimento de alergia alimentar em crianças amamentadas.

No entanto, muitos médicos recomendam que as mães de crianças com alto risco de desenvolver alergias removam amendoins e nozes em sua dieta durante a amamentação e atrasem a introdução de alimentos sólidos até os seis meses de idade.

A Academia Americana de Pediatria recomenda que, no momento, as crianças com um forte histórico familiar de alergias, a introdução do leite de vaca, ovos e outros alérgenos alimentares comuns sejam atrasada da seguinte forma:

* O leite de vaca e produtos lácteos devem ser adiados até a idade de 1.
* Os ovos não devem ser introduzidos antes dos 2 anos de idade.
* Mantenha fora amendoins, nozes, peixes e crustáceos até 3 anos de idade.

As reações alérgicas a alimentos geralmente ocorrem ao comer ou dentro de minutos a algumas horas de comer o alimento agressor. Sinais e sintomas de alergia alimentar podem envolver o nariz, lábios, boca, garganta, pele, pulmões e sistema digestivo, individualmente ou em combinação.

Embora os sintomas abaixo sejam comuns em reações alérgicas, alergias alimentares não são a única causa desses sintomas.

Por exemplo, uma reação pode ocorrer como resultado da ingestão de comida estragada. Porque as reações alérgicas aos alimentos podem ser fatais, é importante consultar um médico se você suspeitar que você tem uma alergia alimentar.




 

ALGUNS SINTOMAS INCLUEM COCEIRA, INCHAÇO, VERMELHIDÃO E URTICÁRIA.

Os sintomas digestivos incluem dormência e queimação dos lábios, boca e garganta e náuseas, vômitos, dor abdominal e diarreia.

Os sintomas respiratórios incluem congestão nasal, coriza, espirros, garganta, inchaço, respiração ofegante e / ou dificuldade para respirar.

As reações alérgicas a alimentos podem variar de levemente irritante para a vida em risco. Uns pequenos números de indivíduos altamente alérgicos são sensíveis a uma vida em risco de reação alérgica conhecida como anafilaxia.

Os sintomas costumam aparecer rapidamente, dentro de segundos ou minutos de exposição a um alérgeno, embora em alguns casos, as reações têm sido atrasada por várias horas.

Contato com a pele com um alimento agressor geralmente resulta em prurido local, vermelhidão e inchaço, e raramente causa anafilaxia. Normalmente, anafilaxia ocorre após a ingestão do alimento.

Para aqueles com sensibilidade apurada, a ingestão de quantidades mesmo minuto do alimento, como vestígios de utensílios ou equipamentos de cozinha, pode causar uma reação.

Os alimentos mais comumente associados à anafilaxia são amendoins, marisco, nozes e, particularmente em crianças menores, ovos e leite de vaca.

Na anafilaxia, as células especializadas do sistema imunológico liberam grandes quantidades de produtos químicos, particularmente a histamina. Várias partes do corpo podem ser afetadas:

* A pele é comumente envolvida. Rubor, prurido, urticária, inchaço ou uma sensação generalizada de calor podem se desenvolver.
* A perda de líquido dos vasos sanguíneos podem levar a uma queda da pressão arterial, levando o indivíduo a se sentir tonto ou até perder a consciência.
* A anafilaxia pode causar inchaço do tecido que resulta em obstrução do nariz, boca e garganta. Os indivíduos podem ter rouquidão ou um caroço na garganta. Se o inchaço das vias aéreas é grave, o indivíduo pode ter dificuldade para respirar.
* Músculos em torno das vias aéreas nos pulmões podem contrair glândulas mucosas e nos pulmões pode liberar grandes quantidades de muco, causando a sensação de aperto no peito, falta de ar e chiado.
* O trato gastrointestinal é freqüentemente envolvido na reação quando um alérgeno é ingerido. A pessoa pode sentir náuseas, vômitos, cólicas abdominais e diarreia.
* As mulheres podem sentir cólicas pélvicas por causa das contrações do útero.

Se você suspeitar que uma reação anafilática esteja ocorrendo, administre adrenalina por via injetável se disponível e procure imediatamente ajuda médica. O tratamento deve começar antes de pressão arterial e problemas respiratórios se tornam uma ameaça à vida, e a intervenção precoce pode salvar vidas.

 

TRATAMENTO

Atualmente não há cura para a alergia alimentar, de forma que a melhor maneira de prevenir os sintomas é evitar os alimentos a que tem alergia. Entretanto, mesmo com muita atenção aos detalhes, a exposição acidental a alimentos de ofensa ocorre com muita freqüência.

Como resultado, um plano para o tratamento de reações alérgicas deve ser desenvolvido com o seu médico (ou do seu filho médico), escrito e realizado juntamente com os medicamentos necessários para tratar uma reação alérgica severa.

Estes medicamentos incluem um dispositivo de auto-injetável de epinefrina, juntamente com uma forma absorvível rapidamente de um anti-histamínico. Novos tratamentos para alergias alimentares estão sendo ativamente procurados, e várias abordagens atualmente sob investigação parecem promissoras.

ESTA SEÇÃO CONTÉM INFORMAÇÕES SOBRE:


DIETA DE ELIMINAÇÃO

Uma vez que os alimentos capazes de provocar uma reação alérgica em uma pessoa tenham sido identificados com precisão, uma dieta de eliminação deve ser construída. Quando a dieta é bastante restrita, a sua adequação nutricional deve ser revista com um médico ou um nutricionista. Por exemplo, o cuidado deve ser tomado para que a criança em uma dieta sem leite consuma quantidades adequadas de cálcio e vitamina D.

 

MEDICAÇÕES

Pessoas com alergias alimentares são incentivados a sempre ter consigo os medicamentos necessários para tratar uma reação alérgica causada por uma exposição acidental a um alimento agressor.

Eles raramente são colocados em uso de medicações diárias, uma vez que a alergia foi diagnosticada corretamente, eles não devem ter sintomas enquanto eles aderem a uma dieta de eliminação.

Pessoas com asma que têm alergia alimentar devem tomar as medicações prescritas para manter a asma sob controle. Eles estão em maior risco de graves reações alérgicas a alimentos, particularmente quando a asma está mal controlada.

Os anti-histamínicos são usados para tratar uma variedade de doenças alérgicas. Eles trabalham, bloqueando as ações de uma substância química chamada histamina, que é liberada por células especiais do sistema imunológico do corpo e desencadeia uma série de sintomas associados a reações alérgicas. Há muitos anti-histamínicos diferentes disponíveis.

Muitas vezes são dados como necessários para tratar os sintomas resultantes de uma reação alérgica a um alimento. Você deve discutir com seu médico qual o anti-histamínico para uso (e na dose adequada) se você ou seu filho tiver uma reação alérgica.

Deve ser lembrado que os anti-histamínicos começam a trabalhar de forma relativamente lenta.

 

ESTEROIDES

Os esteroides são potentes anti inflamatórios que são muitas vezes utilizados para tratar a doença alérgica. Para as pessoas com alergias alimentares, esteroides são ocasionalmente prescritos, quer em forma líquida ou em comprimidos, por períodos curtos para diminuir a inflamação que pode acompanhar uma reação significativa.

 

EPINEFRINA DE ANAFILAXIA.

Pessoas com alergias graves podem ter a vida em risco de reações alérgicas que envolvem mais de um sistema de órgãos (pulmões, pele, trato gastrointestinal, sistema cardiovascular) chamada anafilaxia. Se alguém tiver sintomas de anafilaxia, precisa de atenção médica de emergência.

A epinefrina é o medicamento mais importante para o tratamento da anafilaxia. Ele funciona melhor quando injetado em um músculo da coxa.

Uma vez absorvido pela corrente sanguínea, epinefrina trabalha rapidamente para os vasos sanguíneos do contrato, impedindo-os de vazamento de fluido. Também relaxa as vias respiratórias, alivia cólicas no trato gastrointestinal, diminui o inchaço, e blocos de comichão e urticária.

 

 ANTI-IgE

Anti-IgE é um medicamento aprovado atualmente para o tratamento da asma grave que aparece para ajudar pessoas com alergia a amendoim evitando reações fatais.

IgE é um anticorpo com uma extremidade que se liga à superfície de uma célula especializada chamada uma pilha de mastro e uma outra extremidade que se liga a um alérgeno específico. Quando a IgE é ligado a uma pilha de mastro entra em contato com o alérgeno e dispara uma reação alérgica.

Editor: Antônio Ventura    Em: Doenças e Enfermidades










Deixe seu Comentário »