Biologia & Vida

Polinização das Flores


A polinização é a razão principal para a evolução das espécies de plantas, pois é a maneira da natureza de cruzamento dentro do reino vegetal. O artigo seguinte aborda fatos simples sobre a polinização das flores.

A polinização é definida como a transferência de pólen das anteras de uma flor para o estigma da mesma flor ou de outra, que também é conhecido como pré-requisito para a fertilização.

Fertilização, no entanto, é conhecida como o processo de fusão dos núcleos do grão de pólen com os núcleos do óvulo, permitindo que a flor desenvolva sementes. Existem dois tipos principais de polinização, a autopolinização e a polinização cruzada. Autofecundação é o processo em que as flores desenvolvem sementes, em conseqüência do pólen e pistilo da fusão da mesma planta junto com a fertilização. Já a polinização cruzada ocorre quando o pólen e o pistilo são de duas plantas diferentes e que se fundem para dar uma semente.

Assim, a polinização das flores é um fato muito interessante da natureza. Há muitos modos em que este fenômeno ocorre, como através do vento, animais, insetos, etc. Porém as mais comuns são vento e insetos.

 

A POLINIZAÇÃO DA FLOR

Polinização das Flores
Polinização das Flores

Polinização das flores é estudada em várias disciplinas, tais como botânica, entomologia, ecologia e horticultura. Os portadores destes pólens do gameta masculino ao gameta feminino de uma flor, muitas vezes são conhecidas como vetoras ou polinizadores.

Toda a indústria da horticultura e agricultura depende esse fenômeno de polinização e fertilização, o que resulta na reprodução das plantas.

Existem dois tipos de polinização das flores: abióticos e bióticos, que são mencionadas a seguir em mais detalhes.

 

A POLINIZAÇÃO BIÓTICA

Este é o modo mais comum de polinização, que ocorre na natureza, e as transportadoras são chamadas de bióticos polinizadores. Neste processo, os organismos que visitam as flores para o néctar, carregam esses pólens, que se colam ao corpo, para outras flores e plantas.

Estes, em seguida, podem ou não fecundar com o estigma da flor para produzir novas sementes. Existem duas formas de polinização, que ocorrem devido a fatores bióticos.

A primeira é, Entomofilia, onde a polinização das flores ocorre por meio de insetos como abelhas, vespas, borboletas, mariposas e formigas.

A segunda é onde os polinizadores são animais vertebrados, como pássaros e morcegos, beija-flor e morcegos.

 

POLINIZAÇÃO ABIÓTICA

Este é o modo incomum de polinização, que ocorre apenas 10% nas plantas sem a ajuda dos animais. O mais comum deste tipo é a anemofilia ou a polinização pelo vento.

 

AUTOPOLINIZAÇÃO E POLINIZAÇÃO CRUZADA

Como mencionado anteriormente, existem dois mecanismos de polinização das flores que são auto e polinização cruzada. Na autopolinização das flores, o pólen da mesma flor ou as flores da mesma espécie, são fertilizados com o estigma.

Na polinização cruzada ou alogamia, o pólen de uma flor especial, são entregues a uma flor de uma planta completamente diferente. A polinização biótica e abiótica ajudam a polinização cruzada na maior parte do tempo e este é o principal motivo para a evolução nas plantas.

A polinização cruzada também é utilizada na horticultura para a hibridização de muitas variedades de flores e frutos.

Assim, a polinização das flores é usada principalmente para produzir novas variedades de flores e frutos. É uma função necessária para o crescimento, reprodução e evolução de qualquer espécie vegetal para a o crescimento da flora do mundial.

 

Por: Antônio Ventura  – Em: Biologia & Vida

Você pode usar este conteúdo no seu website para ajudar a difundir esse conhecimento. Tudo que nós pedimos é que você coloque um link de volta para nós na página onde você está incluindo esse artigo.

               

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *