Doenças e Enfermidades

Desenvolvimento do juízo moral e afetividade na teoria de Jean Piaget


Para Piaget, toda moral consiste num sistema de regras e a essência de toda moralidade deve ser procurada no respeito que o indivíduo adquire por estas regras.

Isso porque Piaget entende que nos jogos coletivos as relações interindividuais são regidas por normas que, apesar de herdadas culturalmente, podem ser modificadas consensualmente entre os jogadores, sendo que o dever de ‘respeitá-las’ implica a moral por envolver questões de justiça e honestidade.

Assim sendo, Piaget argumenta que o desenvolvimento da moral abrange 3 fases: A anomia (crianças até 5 anos), que consiste no período em que a criança não sente as normas como obrigatórias, ou seja, não há normas propriamente ditas. A heteronomia (crianças até 9, 10 anos de idade), que é a fase em que a criança já apresenta interesse em participar de atividades coletivas e regradas E, por último, a autonomia que corresponde à concepção adulta do jogo. Primeiramente, as crianças jogam seguindo as regras com esmero. Em segundo, o respeito pelas regras é compreendido como decorrente de mútuos acordos entre os jogadores.

O ingresso da criança no universo moral, se dá pela aprendizagem de diversos deveres a ela impostos pelos pais e adultos em geral: não mentir,não falar palavrão.

 

Desenvolvimento do juízo moral e afetividade na teoria de Jean Piaget
Desenvolvimento do juízo moral e afetividade na teoria de Jean Piaget

No desenvolvimento do juízo moral, existe a heteronomia  que se traduz pelo realismo moral: tendência da criança a considerar os deveres como exteriores ao indivíduo, a seguir as normas, sem compreender o seu espírito, e a julgar a gravidade de uma falta em função do resultado do ato ou do caráter material do ato e não em função da intenção do agente. È a conjunção do egocentrismo com a coação social.

Enquanto um dever se cumpre, a justiça se faz. A justiça representa mais um ideal, uma meta, portanto algo a ser conquistado, um bem a ser realizado. As crianças menores acreditam na idéia de que todo crime será inelutavelmente castigado, mesmo que seja por forças da natureza.

Piaget opõe dois tipos de sanções: as sanções expiatórias (quando a qualidade do castigo é estranha àquela do delito) e as sanções por reciprocidade (excluir do grupo alguém que cometeu um “ato proibido”, como mentir, já que esta é incompatível com a confiança mútua).

Quanto menos idade tem a criança, mais ela opta pelas sanções expiatórias.
Para Piaget, assim como não existe o individuo,pensando como unidade isolada, também não existe a sociedade, pensada como um todo. Existem, relações interindividuais, que podem ser diferentes entre si, e produzir efeitos psicológicos diversos.

Piaget divide as relações interindividuais em duas categorias: a coação que é uma relação assimétrica, na qual um dos pólos impõe ao outro suas formas de pensar, suas verdades, e a cooperação. que são relações simétricas, relações que pedem mútuos acordos entre os participantes.

Segundo Piaget, a afetividade é a energia que impulsiona/move nossas ações e a razão possibilita a identificação dos sentimentos e êxito nas ações.

               

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *