web analytics

Ansiosos e deprimidos usam mais freqüentemente as terapias alternativas

     

Pessoas com mais de 65 que estão deprimidas ou ansiosas recorrem à medicina alternativa mais freqüentemente do que pessoas mais velhas que não são Ansiosos ou deprimidos. Mas os resultados mostraram que menos de 20 por cento daqueles com ansiedade ou depressão utilizaram a CAM para tratá-la. Isso foi uma surpresa.

“Com base em pesquisas anteriores e modelos de auto-gestão de saúde, estava previsto que o uso CAM seria maior entre os adultos mais velhos com auto-avaliação de ansiedade ou depressão do que aqueles sem essas condições”, disse Grzywacz, professor associado de medicina da família e da comunidade.

Os resultados são baseados National Health Interview Survey (SNIS) Alternativa Saúde Suplemento de 2002, Grzywacz disse que era “o estudo maior e mais representativo da CAM na população dos E.U.” A pesquisa incluiu 30.785 pessoas que participaram de entrevistas face a face com o pessoal do E.U. Census Bureau. As pessoas que responderam sim à pergunta durante os últimos 12 meses você tem sido freqüentemente deprimido ou ansioso? Foram considerados com ansiedade ou depressão, afirmou.

 

Os resultados demonstram que uma proporção significativamente maior de adultos mais velhos, com Ansiedade ou depressão, em contraste com aqueles sem essas condições”, disse Grzywacz. “Essas diferenças são impulsionadas por uma maior utilização de práticas espirituais, técnicas de relaxamento e não de vitaminas, minerais, produtos não-natural”.

 

Ansiedade e depressão com medicina alternativa

Anciosos e deprimidos

Anciosos e deprimidos

Mas ele acrescentou, “os adultos mais velhos, com ansiedade ou depressão geralmente não usam CAM para tratar as suas condições mentais.”

Ele disse que o inquérito SNIS 2002 foi o primeiro com um número suficiente de adultos mais velhos para fornecer descrição do uso de MAC entre aqueles com ansiedade e depressão.

Grzywacz disse que os distúrbios mentais entre os adultos mais velhos estão sub-diagnosticados e sub-tratados.

Em parte, isso é porque as pessoas acima de 65 anos não acreditam que é tratável”.Os adultos mais velhos freqüentemente relatam que os sentimentos depressivos são uma parte natural do envelhecimento e não podem vê-los como algo que exige o tratamento”, disse Grzywacz.

Outra surpresa foi que não houve diferença entre raça e grupos étnicos na utilização de CAM para a saúde mental pobre. Em dezembro passado, Grzywacz e sua equipe relataram que, entre pessoas com mais de 65 anos, negros e índios americanos fazem uso muito maior de remédios do que os brancos.

As diferenças pareceram ser baseadas na cultura do que no acesso aos cuidados de saúde.

No estudo atual, segundo ele, “na ausência de tratamento convencional, nós esperávamos que a minoria dos anciãos iriam procurar outras terapias para gerir a sua saúde mental”. Mas isso não aconteceu.

Outros investigadores no estudo incluíram Thomas A. Arcury, Ph.D., da Medicina de Família e Comunidade, e Sara A. Quandt, Ph.D., Ronny A. Bell, Ph.D., Wei Lang, Ph.D. e Cynthia K Suerken, MS, todas da Divisão de Ciências da Saúde Pública. A pesquisa foi suportada pelo Centro Nacional para Medicina Complementar e Alternativa.

Deixe seu Comentário »