Nutrição & Saúde

A Magia do Magnésio


Magnésio: Para quatro males incuráveis e a maioria dos outros. O magnésio é uma descoberta fulminante da década de 1980, pouco difundida. Não é remédio, mas sim alimento essencial para a vida.

O Segredo da magia do Magnésio

Animais novos, até bem tratados porém sem magnésio, podem morrer todos em menos de um mês. O magnésio controla 18 minerais e tem umas 300 funções.

É indispensável conhecê-lo. Todos nós nascemos de uma única célula, que se multiplica, até a idade adulta, em cerca de 100 trilhões de células variadas, que nos dão calor e energia. Essas células enfileiradas, dariam uma volta ao mundo, ou mais. Cada célula tem no seu interior um pequeno núcleo, tido como sede da vida, com toda a programação da primeira célula. O núcleo consiste de enorme conjunto de átomos, em forma de rede espiralada, onde aqui e ali há um átomo de magnésio, tipo borrachinha, este é o segredo! Tais células são flexíveis e ativas, como o corpo todo.

 

Célula sadia

Na formação das novas células, o magnésio escolhe as substâncias programadas, todas de origem animal, como único material de construção, ao menos até os 6 anos de idade, para dar acabamento ao cérebro e evitar deficiência mental.

Magnésio
Magnésio

Assim, cada célula sabe e segue o programa da primeira célula, sem faltar um cabelo sequer. Nos adultos, a célula-mãe se desfaz, para evitar o gigantismo.
O magnésio constrói as células.

CÉLULA DOENTE –
Se faltar magnésio na formação das células, invade seu lugar o cálcio, tipo -pedrinha. Tais células vão perdendo flexibilidade e atividade, e todo o corpo endurece, envelhecem e se cansa à toa. Aí, o diabo está solto…

O cálcio mata pelo menos 80% por doenças como calcificações, artrites, ciáticas incuráveis, câncer, infartos e m ais umas 6 mil doenças. Umas são de doer e gemer. Outras são de morrer, no duro!

Mas agora temos… – A MAGIA –

Basta devolver o magnésio que falta, e ele vai direto aos núcleos chutar fora as pedrinhas, o cálcio invasor, e retoma seu lugar como -borrachinha. Assim, o corpo endurecido volta aos poucos a ser flexível e ativo, pois o magnésio é o restaurador das células. O magnésio, com seus 18 minerais ajudantes, vão patrulhando até os últimos becos do corpo, limpa as arteriazinhas. O magnésio chega lá!


2. REFINADOS –

Então o bom Deus esqueceu do magnésio nos alimentos? Não! Ele entregou o domínio da natureza perfeita ao homem racional. A culpa é do próprio homem, obcecado por paixões de ganância, gula, vaidade.

O industrial visa a lucros e refina, retira o sujinho dos grãos de arroz e do trigo, o melaço escuro do açúcar.

Do sal marinho, rejeita o magnésio, que umedece, o iodo, e mais 20 sais salubérrimos. Gaba-se do progresso, dos alimentos brancos. Desses 4 alimentos básicos, os mais consumidos no mundo, vende a bom preço esses restinhos sujos para o gado, para a sua saúde.

Logo, sabe o que faz! No entanto, reserva para si o restante bagaço branco e, doente, corre à farmácia, pagando o cêntuplo por drogas ineficazes. Assim, o homem fatura, nada menos que 50% das mortes por câncer.


O que fazer?

Compre a farinha de trigo cinzenta e não a branca, que é puro bagaço, e junte ainda farelo de arroz ou trigo. Arroz, só descasque e não tire o farelo dourado, os sais da saúde. Do açúcar, apenas evapore a água, pois o açúcar amarelo faz a saúde dos nordestinos e a nossa.

O sal saudável é o que se dá ao gado. Afine-o com uma garrafa sobre a mesa. Tem uns 10 minerais – é ótimo!


2a. ESTRESSE –

É o esgotamento perigoso, por falta de magnésio nos alimentos industrializados. Isso provoca em gente ativa um ciclo perigoso, assim: A falta de magnésio faz das ocupações preocupações, ânsia que gera o começo do estresse, que consome magnésio.

Recomeça o ciclo, sem parar:

Menos magnésio dá mais ânsia, mais estresse e menos magnésio, mais ânsia… Até ocorrer o colapso, às vezes fatal.

Cura certa:
Siga a RECEITA GERAL (item 8) por uns meses, até sentir-se forte. Siga então o item 13, até o fim.


3. PREPARO DA SOLUÇÃO –

Tenha à mão CLORETO DE MAGNÉSIO P.A. e uns copinhos de plástico para cafezinho. Encha 1 (um) copinho com esse sal, socando levemente, e o dissolva em 1 (um) litro d-água. Somente isso! Ou dissolva 100g de magnésio em 3 litros. A solução nunca estraga. Uma dose é um copinho bem cheio da solução.

Ponha uma dose num copo comum e faça uma marca com adesivo. Daí para cima, ponha água à vontade, para fazer menos amargo. Se em jejum for laxante, deixe para tomar depois do café.

4. O MEU CASO
de quase paralítico, como referência. Aos 55 anos de idade, sentia estranho peso na perna direita. Aos 65 anos, virou dor intratável. Aos 69 anos formigava toda a perna ao ficar em pé (sentado, não). Então atinei ser bico de papagaio, já visível aos 55 anos, que calcificara e apertava o nervo que descia à perna.

Fugia da dor sentando e, na cama, enrolado como um gato. Ouvi de um especialista: Isso já não é um bico, mas sim um bando de papagaios! Todas as vértebras estão calcificadas, curvando a espinha. Não tem cura?.

Angustiado, apelei instantaneamente ao bom Deus para dar um jeitinho. Pouco depois, o padre Suarez mostrou-me no livro do padre Puig o uso do magnésio.

5. MINHA CURA –
Comecei com uma dose diária, durante uma semana. Tudo bem! Tomei então duas doses, sempre sentado ou enrolado até o 20º dia, quando acordei tarde e vejam só! – estirado, reto, sem dor.

Caminhar sem dor, somente no 30º dia, quando me levantei como que a sonhar de felicidade, pois nada mais me doía. Pequeno passeio, contudo, me fez voltar o peso de outrora, mas que em poucos dias também sumiu. Assim, a perna sofrida estava até melhor que a outra…

6. EFEITOS SIMULTÂNEOS –
Além da ciática, curou logo o coração. Sumiram as pontadas do fígado. A prostatite aguda em um ano pouco incomodava. Três anos depois, nem sinal dela. Descalcificou-se a espinha, e em 3 anos fiquei flexível como cobra. A lucidez voltou e o cansaço se foi.

Curei também a erisipela, quando voltou, tomando 3 doses durante 3 meses e matando, por certo, o último micróbio escondido nas varizes.

E fiquei reto! Daí a regra:
Tome o magnésio para uma doença só e as outras curam junto. Voltou-me, enfim, a alegria de viver. E o que darei ao bom Deus pelo jeitinho grátis.

De graça o difundirei!

E mais: Em 1993, descobri a cura da psoríase, que escama a pele e é incurável desde a Antiguidade. Já no desespero, tive uma luz: O magnésio é o construtor da célula. Mantive então úmida com magnésio concentrado a pele afetada, e a pele nova nasceram. Somente isso!


7. CONTRA-INDICAÇÕES –

Duas, graves: Insuficiência dos rins e paratireóide (garganta). Tente devagar, com meia dose diária durante uma semana, duas meias-doses na outra semana, três meias-doses na 3ª semana, ao levantar, ao meio dia e ao deitar. Tudo bem? Então siga para o item 8, RECEITA GERAL.
Mas se piorar, diminua a dose ou vá ao médico. O uso desta receita fica ao seu critério, ou a critério de um médico amigo.


8. RECEITA GERAL –

Ver as contra-indicações no item 7. Se não houver, tome uma dose diária durante uma semana. Tudo bem? Então tome uma dose de manhã e uma dose à noite, na segunda semana. Na fase aguda, uma dose de manhã, ao meio dia e à noite.

Passada a fase aguda, volte a uma dose de manhã e outra à noite, durante meio ano ou mais, até sentir que está bem e com boa saúde. Para não recair, siga toda a vida o item 13.

Com 3 doses diárias, a pressão do sangue pode subir. Se for demais, diminua o sal de cozinha, tome remédio, ou volte a tomar duas doses. Mas não largue o magnésio, para sua garantia.


9. CALCIFICAÇÃO –

Que somente o magnésio cura. É o mais comum, uma série de doenças até mortais: coronárias entupidas, necrose (sem vida), infarto, pontes de safena, coágulos, derrame, trombose, arritmia, arteriosclerose (sclero=duro), válvulas duras, incrustações tipo cera amarela, colesterol, coluna, ciática.

O magnésio tira o cálcio patogênico e o fixa nos ossos, que nunca ataca. E cura osteoporose. Ver item 8.


10. ARTRITE E ARTROSE.

Que só o magnésio cura. Artrite, reumatismo, gota, inflamam, com dor, as articulações nos dedos e no corpo todo. E a artrose as degenera por acúmulo de ácido úrico, que os rins já não eliminam, por falta de magnésio. Cuidado: Ver item 7, e depois o item 8.


11. CÂNCER,
que somente o magnésio evita, e infartos.
As células de doentes podem estar incompletas, por falta de substâncias (refinados, depauperados) ou presença de partículas estranhas (fumo, tóxicos, radiações, metais pesados). Essas células anormais, presentes em todas as pessoas, somente se tornam perigosas ao se agruparem, causando lesões, o pré-câncer — que o magnésio cura.

Ao formar o tumor, câncer, o magnésio não cura mais (mas o elixir F. Kotelak2 já curou muito câncer e diabetes). Nódulos no seio e freqüente câncer em parentes: siga logo a RECEITA GERAL (item 8).

Mas câncer da pele, que dá chagas incuráveis, o magnésio cura em um ano e tanto. Siga o item 8. Assim você se salva do câncer, de infartos, de quase tudo, simultaneamente.

12. INFECÇÕES –
O magnésio reforça as defesas naturais do organismo, duplica os glóbulos brancos, soldados do sangue que matam o triplo de micróbios. O magnésio é ótimo contra furúnculos e inflamações. Cura erisipela (veja item 6). Em manchas da pele, psoríase, alergias, acne, tóxicos, feridas – ponha um paninho úmido com magnésio, ou passe com a mão. Para psoríase, solução concentrada (ver item 6).


13. CIRURGIAS –
Na véspera, tome de 3 a 5 doses espaçadas. Cura rápido, sem infecção e boa disposição.

Saúde para toda a vida



14. DOSAGEM –

O adulto precisa de magnésio metálico, o equivalente a 4 ou 5 doses por dia. Como nossos alimentos refinados não o fornecem, é preciso completar o que falta.
Crianças e adultos até 40 anos – Uma colher para cada 10 kg de peso, se estiver doente ou crescendo muito. Se não estiver doente nem crescendo, uma colher para cada 20 kg.

Adultos, de 40 anos em diante – Um fato novo: aos 40 anos (alguns aos 35 ou aos 30), o corpo é invadido pelo cálcio, que reprime sempre mais o magnésio. Assim, devemos ir aumentando o magnésio para controlar o cálcio e evitar as doenças da velhice, continuando flexíveis e jovens.

Aqui vão as doses, por idade:
Dos 40 aos 55 anos, tomar 2 doses espaçadas por dia.
Dos 55 aos 70 anos, tomar 3 doses espaçadas por dia.
Dos 70 anos ao fim da vida, 4 doses espaçadas ao dia.

Assim, complementam-se os alimentos desmineralizados e o corpo se mantém flexível, sem cansar, sangue puríssimo, coração e outros órgãos sadios, sem infartos, derrames, sem morte súbita, sem câncer.

Em vez do magnésio, você pode comprar sacos de farelo de arroz, com o qual faz bolinhos, mistura no pão ou nas comidas.

Comer uva, com bagaço, mineralizado, sem esmagá-lo.
A cozinheira deve distribuir nas comidas uma dose de magnésio para cada 3 pessoas, uma vez por dia. Assim fazem na Finlândia, e toda a família vive saudável.

Os maiores de 40 anos devem completar suas cotas, conforme recomendação acima. O magnésio é alimento inocente: O intestino somente absorve o necessário.

Ricos em magnésio e sais são: Farelos, melaço, melado, mel, açúcar amarelo em rapaduras com amendoim, todas as nozes, amêndoas. Também golinhos de água do mar, no banho ou nas comidas (só golinhos), que contém 30 sais salubérrimos, os mesmos que levam as tartarugas até os 400 anos de idade.

15. Tem gente que não quer tomar magnésio durante toda a vida. Mas o faz com o sal comum, em demasia (prefere a vida normal), enquanto o magnésio protege a saúde.

Ou você pensa que para estimar a saúde precisa pegar, às vezes, doenças que custam 1 milhão? Não seja idiota! Tire uma minúscula fração dos milhões e compre magnésio, para livrar-se da doençarada toda que o espera.

No Alto Tocantins, vivem 20 pessoas com mais de 100 anos de idade, porque a terra lá é rica em magnésio. No Cáucaso, chegam aos 125 anos, alguns a 150, porque as searas e fontes são ricas em magnésio.


16. ONDE COMPRAR O MAGNÉSIO CERTO?

Nunca os comuns de farmácia, pois fazem mal à saúde pelos 3 a 5 por cento de impurezas que contêm. Recomendo as lojas que fornecem material para laboratórios.

O magnésio certo deve ser o CLORETO DE MAGNÉSIO P.A. (P.A. = Para Análise). Na época do padre Beno, as marcas que ele recomendava eram: Reagen, Isofar, Caal, Vetec, Synth, Eleibra, Cinética e Merck.

Para quem não tiver um fornecedor na sua cidade, uma alternativa talvez sejam as farmácias de manipulação, pois elas precisam trabalhar com o material mais puro possível.

NOTAS –
1 Em 1994, o endereço do padre Beno era: Cx. Postal 135, cep 88001-970 Florianópolis, SC. Não sei se ele ainda está vivo, nem se esse endereço ainda é válido hoje.

2 O elixir F. Kotelak seria produzido pelo Laboratório Melo & Kotelak Ltda – Produtos Naturais, de Curitiba. Não tenho muita informação.

– Matéria de caráter apenas informativo. Não deixe de consultar o seu médico.
– Para mais detalhes sobre o assunto acima (se eu tiver), entre em contato comigo através do meu site, onde tenho mais dicas sobre saúde.

CLORETO DE MAGNÉSIO

Autor: J. Beno Shorr

Quem sofre de bico de papagaio, nervo ciático, coluna e calcificação pode curar-se de forma perfeita, indolor, fácil e barata. E tem, ao mesmo tempo, a cura de todas as doenças causadas pela carência de cloreto de magnésio no passado, até a artrose.

Minha cura:
Iniciei minha cura aos 61 anos.
Dez anos antes, eu estava quase paralítico, sentia pontadas agudas na região lombar – um bico de papagaio incurável, segundo o médico. Mas reparei ser reumatismo, que curei com Ketacil, esquecendo-me, então, do bico de papagaio que antes já provocava um peso crescente na barriga da perna direita.

Após cinco anos, o peso virou dor e, apesar de todos os tratamentos, só aumentava. Dois anos depois atinei com a causa: mal me levantava da cama um formigamento descia pela perna até os pés.

Ao abaixar-me, o formigamento cessava; erguia-me ele voltava. Repeti as duas posições. Deduzi que só poderia ser aquele bico de papagaio, que apertava o nervo ciático na terceira vértebra, quando em pé; curvando-me, lhe dava folga.

Fiz então meus trabalhos, o mais possível sentado. Havia anos que fazia tudo sentado, menos a missa, o que era um tormento. E adiava a viagem à ilha de Marajó, onde devia completar a rede de rádio-telefonia de 48 estações em 6 Estados. Após seis meses, viajei, esperando melhorar naquele eterno verão. Mas piorou de vez.

Rezava a missa sentado e sentado orientava meus ajudantes a montar os mastros e esticar as antenas por cima dos telhados.
Sem tardar, voltei a Florianópolis com novas radiografias e procurei um especialista. Agora já era um bando de bicos de papagaios, calcificados, duros em grau avançado.

Nada se poderia fazer. As dez aplicações de ondas curtas e distensões da coluna não detiveram a dor, a ponto de nem mais deitado eu poder dormir. Ficava sentado, até quase cair da cadeira, de tanto sono. Foi quando atinei que podia dormir enrolado ou sentado para fugir da dor. E então?

Assim, desenganado, apelei ao bom Deus. “Estás vendo a tua criatura”? Não lhe custava dar um jeitinho.

Providencialmente, fui ao Encontro dos Jesuítas Cientistas, em Porto Alegre, e o Padre Suarez me disse ser fácil a cura com cloreto de magnésio, mostrando-me o pequeno livro do Padre Puig, jesuíta espanhol que descobriu o uso do cloreto de magnésio:  Sua mão era dura de tão calcificada, mas, com este sal, ficou móvel como a de uma menina, o mesmo aconteceu com parentes seu.

E brincando, ele disse: “Com este sal só se morre dando um tiro na cabeça ou por acidente”. Em Florianópolis, logo comecei a tomar uma dose pela manhã e uma à noite; mesmo assim continuei dormindo encolhido até o 20º dia; naquela manhã, porém, acordei estirado na casa, sem dor. Mas caminhar ainda era um sofrimento.

Depois de 30 dias, eu me levantei sentindo-me estranho: “Será que estou sonhando? Nada mais me doía!

Dei até uma voltinha pela cidade, sentindo, contudo, o peso de 10 anos antes. Aos 40 dias caminhei o dia inteiro sentindo menos peso, três meses depois minha flexibilidade aumentava. Dez meses já se passaram e me dobro quase como uma cobra.

Outros efeitos:

O cloreto de magnésio arranca o cálcio dos lugares indevidos e o fixa solidamente nos ossos. Ainda mais: minha pulsação que sempre estava abaixo de 40 – eu já pensava em marca passo – normalizou-se.

O sistema nervoso ficou notoriamente calmo, ganhei maior lucidez, meu sangue estava descalcificado e fluido. As freqüentes pontadas do fígado desapareceram. A próstata, que eu deveria operar assim que tivesse uma folga nos trabalhos, já não me incomova muito.

Houve ainda outros efeitos, a ponto de várias pessoas me perguntarem: “O que está acontecendo com você?” Está mais jovem! “É isso mesmo”. Voltou-me a alegria de viver. Por isso, me vejo na obrigação de repartir o “jeitinho” que o bom Deus me deu.

Centenas se curaram em Santa Catarina depois de anos de sofrimento com males da coluna, artrose etc.

A Importância do cloreto de magnésio:

O cloreto de magnésio produz o equilíbrio mineral, anima os órgãos em suas funções (catalisadoras), como os rins, para eliminar o ácido úrico nas artroses; desclassifica até as finas membranas nas articulações e as escleroses calcificadas, evitando enfartes, purificando o sangue e vitaliza o cérebro, desenvolve ou conserva a juventude até alta idade.

O cloreto de magnésio é, de todos os sais, o menos dispensável, como o professor na aula.

Uso:
Após os 40 anos, o organismo absorve sempre menos cloreto de magnésio, produzindo velhice e doenças. Por isso deve ser tomado conforme a idade: dos 20 anos aos 55 anos 1/2 dose, ou seja, meio cálice; dos 55 anos aos 70 anos, uma dose (um cálice), dos 70 anos aos 100, uma dose pela manhã e 1 dose à noite.

Atenção: Para quem vive na cidade e ingere alimentos de baixa qualidade (refinados e enlatados) recomenda-se uma dose um pouco maior, e para pessoas do campo um pouco menos.

O cloreto de magnésio não cria hábito, mas ao deixá-lo perde-se a proteção. Com o uso do cloreto de magnésio há tendência à eliminação das doenças e uma diminuição significativa do desgaste natural.

Só não se deixe levar pelo comodismo, até que uma doença se instale.  Porque viver com dores e mal estar se é possível gozar de uma saúde radiante?

O cloreto de magnésio não é remédio, mas alimento. E não tem contra-indicação. É compatível com qualquer medicamento simultâneo.

O adulto precisaria obter dos alimentos o equivalente a três doses; se não conseguir, pode aumentar um pouco a dose diária para não adoecer; dificilmente se ultrapassa o limite, pois as doses indicadas para pessoas de 40 a 100 anos são mínimas.

O cloreto de magnésio põe em ordem todo o corpo e é indicado para homens e mulheres. No caso das mulheres ele ajuda a prevenir osteoporose.

Recomendações:

Quem sofre de bico de papagaio, obesidade, nervo ciático, coluna, arteriosclerose, rins, calcificação, surdez por calcificação, deve iniciar o tratamento com uma dose pela manhã, uma dose à tarde, uma dose à noite.

Quando curado, deve-se tomar o cloreto de magnésio como preventivo, isto é, conforme a idade.

Artrose: o ácido úrico se deposita nas articulações do corpo, em particular nos dedos, que até incham. Isso resulta de uma falha no funcionamento dos rins, justamente por falta do cloreto de magnésio.

Tenha cautela:
Se um rim talvez já esteja se deteriorando, tome apenas uma dose pela manhã. Se em 20 dias não sentir melhoras e não cessar a anormalidade, tome uma dose pela manhã e uma dose à noite. Depois de curado, continue com as doses normais, como preventivo.

Próstata: aqui vou citar um exemplo. Um homem muito idoso já não conseguia urinar. Algum tempo antes da operação, lhe deram cloreto de magnésio como preparação, e ele começou a melhorar. Depois de uma semana sentia-se bem, e a operação foi cancelada.

Há casos em que a próstata regride, às vezes, ao normal, tomando-se 2 doses pela manhã, duas doses à tarde, duas doses à noite. Ao melhorar, tome a dose preventiva.

Outros problemas: como reumatismo, rigidez muscular, impotência sexual, câimbras, tremores, frigidez, artérias duras, falta de atividade cerebral, sistema nervoso: uma dose pela manhã, uma dose à tarde, uma dose à noite. Sentindo-se melhor, passar para a dose preventiva.

Preparo: como preparar e usar a solução de cloreto de magnésio: dissolver 33 gramas de cloreto de magnésio em 1 litro de água filtrada, melhor fervida. Depois de bem misturado, colocar em vasilhames de vidro (não de plástico) e guardar na geladeira.

O autor, falecido com 93 anos, em maio de 2005, era Padre Jesuíta e Professor de Física, Química e Biologia do Colégio Catarinense, em Florianópolis, Santa Catarina .

[Adaptado do “Artigo Mirim” – 14ª edição, 1994]
Padre Beno José Schorr    Prof. de física, química e biologia
Colégio Catarinense.

               

2 comments


  1. gostaria muito de comprar o produto Cloreto de Magnésio PA sem Metais pesados, procurei em lojas especializadas, mas fiquei preocupado, porque no pote de 500 g estava escrito Metais Pesados e na frente tinha o número 5 Pmg, então não comprei.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *